Lançamento: Litchi Hikari Club

Título: Litchi Hikari Club
Título Original: ライチ☆光クラブ (Litchi☆Hikari Club)
Título em Português: “Hikari, o Clube da Lichia”
Autor(a): FURUYA Usamaru
Artista: FURUYA Usamaru
Ano: 2006
Volumes: 1 (concluído no Japão)
Gêneros: Seinen, Drama, Psicológico, Horror, Romance.
Tipo: Manga
Serialização: Manga Erotics F (Ohta Shuppan)

Sinopse:
Rapazes com medo de se tornarem adultos, mas cheios de percalços perturbadores. Eles têm uma bela idéia de fazer um mundo melhor, mas querem fazer do jeito mais horrível de todos. Aqueles uniformes escolares que lembram narcisistas, torturando pessoas. É irônico, provocante, bizarro e simbólico também. As histórias de Furuya não são para todos. Ele não cria horrores clássicos, ele faz coisas psicológicas sangrentas e provocantes.

Para os garotos da fuliginosa cidade industrial, há apenas um ponto de luz: O Clube da Luz, uma irmandade secreta que eles organizaram em uma fábrica abandonada. Eles estão à beira de iniciar sua maior conquista, uma “máquina pensante” alimentada por frutas de lichia. Ao mesmo tempo, a solidariedade de adolescentes está se transformando em uma imundície nacional-socialista de paranóia assassina, esteticismo perverso e homossexualidade (nem sempre) suprimida.

Litchi Hikari Club é uma adaptação de uma peça de teatro homônima apresentado pelo Teatro Grande Guignol de Tokyo em 1985. O Grande Guignol original ficava localizado em Paris, França, e se tornou famoso por suas apresentações de temáticas de horror que envolviam grandes quantidades de violência e cenas grotescas. Foi posteriormente fechado em 1962, devido à Segunda Grande Guerra e o Holocausto fazendo com que as pessoas percebessem que violência não era entretenimento.

Se há algo que se destaca em Litchi Hikari Club é a arte. Simplesmente incrível. A habilidade de Usamaru Furuya como mangaká é notável, e qualquer fã de artistas como Tajima Sho-U (MPD Psycho, Galerians) e Obata Takeshi (Death Note, Bakuman) será facilmente atraído por seu estilo. Os personagens de LHC são desenhados com riqueza de detalhes, bem como cenários que definem o naufrágio industrial-distópico em que vivem. E, fiel às suas raízes, a parte gore é desenhada igualmente bem. Intensa o bastante para fazer qualquer fã de horror virar o olhar para logo em seguida olhar de volta, dado os atraentes detalhes.

Na maior parte, a adaptação mangá de Litchi Hikari Club é fiel ao original, embora um nome pareça ter sido mudado. Apesar de a maioria dos personagens se vestirem com uniformes escolares semelhantes, cada um tem suas próprias peculiaridades de personalidade que os separam um do outro, do complexo doentio e distorcido de Heliogábalo de Zera até a constante nomeação de Kaneda. No entanto, devido à duração do mangá, a maior parte do desenvolvimento de personagens é interrompida nos personagens secundários e deixada para os protagonistas. O que não interfere muito, já que o estilo costuma depender de personagens mais típicos.

Litchi Hikari Club faz tudo o que deve fazer por uma série do gênero, e muito mais. É chocante, distorcido e deixa esse impacto (o último capítulo) quase inesquecível. Se você não está interessado em uma série construída sobre violência e loucura, é melhor você dar uma olhada em outra coisa. Agora, se você precisa de um bom susto, um enredo desonesto, ou apenas quer conhecer uma grande obra de arte, Litchi Hikari Club é um prazer culpado que vale a pena.